the Day and the Time

‘This is the day and the time, I wanna believe that we may still have a chance’

É incrível como as línguas atuais carecem de palavras-chaves; aquelas que resumem  sentimentos, instantes, situações. Por exemplo, nós, falantes do português, nos vangloriamos de termos a palavra saudade. No entanto, não temos um verbo pra sentir ou ter saudades. Diferente do espanhol, que conta com verbo añorar o qual não significa nada menos que sentir saudades. Em todo o caso, em várias línguas, há a palavra nostalgia, que nada mais é que sentir falta de um tempo que não volta mais. Nostalgie, em francês, por exemplo. Se ainda assim estiver muito difícil, use a saída rápida I miss you e você nunca errará.

Percebe-se que cada língua tem suas carências de palavras. Eu, particularmente, não conheço nenhuma língua que disponha da palavra saudade, já que os que chegam mais perto falam apenas de nostalgia(saudade de um certo tempo), e do verbo añorar, chegamos perto com estou com saudades e anglófonos com I miss you. Talvez o poliglota seja aquele que mais entenda de sentimentos.

Mas o que tudo isso tem a ver? Ora, mais uma vez me vejo numa situação em que não encontro palavras no português, espanhol, francês, inglês para descrever algo. Falo de momento oportuno, ocasião própria.

Bem, recorramos ao grego, então. A palavra Kronos quer dizer tempo cronológico, que para mim, tem uma conotação negativa pois é fugaz, efêmero. E mesmo assim, não falo de um momento qualquer, falo daquele momento.

Há uma outra palavra em grego também chamada Kairós. É disso que estou falando. Realmente, não se fazem mais línguas como antigamente. Convido-lhe a apreciar a beleza desta palavra, a sublimação da alma que ela sugere. Kairós é o tempo mitológico, é a eternidade do instante; é aquele momento. Creio que, como estamos numa sociedade em que o ter é mais que o ser e, portanto, somos convidados a trancafiar nossos sentimentos, não vemos a necessidade de ter uma palavra desta em nosso vocabulário. Instante perfeito, momento oportuno, ocasião propícia; the Day and the Time. Convido-lhe, leitor, a apreciar, de novo, a beleza desta palavra. Quando falamos de tempo sempre pensaremos que estamos perdendo tempo, que este tempo nunca mais voltará, que a agulha do relógio só anda para direita e nunca para esquerda. E é exatamente aí que está a genialidade do ser humano, ou pelo menos dos gregos, de criarem uma palavra tão bela como Kairós a partir de uma outra palavra tão angustiante como Kronos. É como a metamorfose da borboleta. Da larva, feia e bruta, passar a borboleta, misteriosa e encantadora.

Quantas poucas vezes você já teve momentos assim? Em que o tempo não contava, não havia problemas, escuridão, medos, incertezas? …

Pois é. Tão difícil como entender o Kairós é vivê-lo.

Os românticos diriam que o Kairós só existe com seu amor do lado. As mães diriam que só com o filho do lado. Os padres diriam que só com Deus do lado. Os simbolistas diriam que só através da música. Os individualistas diriam que só se estivesse sozinho. Os pessimistas diriam que ele não existe. Os otimistas diriam que ele acontece sempre. E você, diria o quê?

Fabrício Bernardes

4 thoughts on “the Day and the Time

  1. Realmente é uma pergunta muito profunda e que… segundo a lógica, poucas pessoas seriam capazes de dizer o que ele significa para elas…
    Quanto ao verbo ‘añorar’… Não é brilhante? O português pode ter a palavra ‘saudade’, mas um verbo tão ‘específico’ como este… Não há!
    aliás! está por ser criado! (isso espero, hehe)

    Bom… Kairós para mim é o equilíbrio entre viver um momento e não se arrepender dele, de querê-lo tanto como uma lembrança boa para jamais querer esquecê-lo e por fim.. na minha opinião… Kairós é estar realizado fisicamente e espiritualmente.
    Abraços!

  2. Fa, vc esta escrevendo tao bem! Me sinto orgulhosa por vc sabia?

    Kairos p mim eh algo q nos proprios temos o poder d criar, mas na maioria das vezes n temos consciencia disso e por isso pouco desfrutamos dele…

    Amo muito vc! Beijos!

  3. oi, você…

    Seus textos são ótimos, amei… Só não consegui localizar teu nome, penso que esquecestes de assinar tuas crias.
    Quanto a kairós, creio ser tudo o que nos resta, é onde está a possibilidade de fazermos algo, apesar que muitos dizem não existir o presente, o agora… tudo se resume a passado e futuro…
    Fico aguardando teus novos textos. E se me autorizar, gostaria de usá-los, ou parte dêles em meu tópico em uma comm que participo.
    Abraços.

    rachel pSco

  4. Olá, Fabrício!

    Cheguei ao teu blog através de seu perfil no Livemocha (estudo Inglês e Espanhol lá). Estou passabdo pra te parabenizar pelo blog e pela sutileza dos teus textos! Realmente são muito inteligentes e dão o que pensar! Abraços!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *